domingo, 17 de outubro de 2010

A Sagrada Escritura condena o “Livre Exame”


A) “Nenhuma profecia da Escritura é de interpretação pessoal” (2Pd, 1,20).

B) “Assim vos escreveu também o nosso caríssimo irmão Paulo, segundo a sabedoria que lhe foi dada, falando-vos dessas coisas, como faz também em todas as suas cartas. Nelas há, porém, alguma coisa difícil de compreender, que as pessoas pouco instruídas ou pouco firmes deturpam, como fazem também com as outras escrituras, para sua própria ruína” (2Pd 3, 15-16).

C) “Muitas são as opiniões dos homens, e as más imaginações levam ao engano” (Eclo 3,24).

Como explicar que Deus deixaria o mundo ao “livre exame” em que cada um segue sua cabeça e justifica suas opiniões? E onde ficaria a frase de S. João: “Haja um só rebanho e um só pastor” (Jo 10, 16).

E só folhear o Ato dos Apóstolos e verificar que a Igreja, desde o começo, seguia a um só pastor, isto é, o sucessor de S. Pedro (o primeiro Papa).

Outra contradição do “livre exame” é o fato de existirem tantas “igrejas” protestantes, todas se dizendo inspiradas pelo mesmo ‘espírito santo‘, e cada uma pregando uma doutrina diversa da outra.

Depois, se todos têm o “livre exame“, como condenar o exame católico? Como julgar, sem ser através de uma Igreja infalível, se a interpretação de alguém está certa ou não? A inspiração não vem para todos? No fundo, os protestantes se acham, ainda que implicitamente, infalíveis em seu exame. Enquanto os católicos são falíveis individualmente e a Igreja é infalível, os protestantes, individualmente, se outorgam a “infalibilidade” que condenam nos católicos.

Fonte: Lepanto/AASCJ

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seguidores

Acerca de mim

A minha foto

Alguém que procura um encontro com Jesus.

Arquivo do blogue

A minha Lista de blogues