quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Da Ascenção de Jesus Cristo: Autoridade e poder judicial - catequese

Ascenção de Nosso Senhor Jesus Cristo - Onde se encontra agora o corpo glorioso de Jesus Cristo?

- No céu, para onde o Redentor, quarenta dias depois da ressurreição, subiu por virtude própria, à vista de seus discípulos, que do alto do monte Olivete o contemplavam (LVII,1).

- Que significa a expressão “Jesus Cristo subiu ao céu e está assentado à direita de Deus Padre?”

- Significa que, sem sobressaltos, aflições, nem temores para o futuro, goza e desfrutará eternamente o repouso da bemaventurança celestial, e que, igual ao Pai, no uso de um privilégio exclusivo, é Rei do universo e julga a todos os seres da creação (LVII,LVIII).

- Por que se atribue especialmente a Cristo o poder judicial?

- Primeiramente, porque Jesus Cristo, enquanto Deus, é a Sabedoria do Pai, e o ato de julgar é um ato da Sabedoria e da verdade; em segundo lugar, porque Jesus Cristo, enquanto homem, é pessoa divina, e na sua natureza humana radica a dignidade de chefe da Igreja e portanto, de todos os homens, já que todos hão-de comparecer diante do tribunal de Deus; além disso possue em toda a sua plenitude a graça santificante, que dá capacidade ao homem espiritual para emitir juízo reto e acertado; finalmente, porque merece ser denominado juiz dos céus e da terra, aquele que neste mundo sofreu os rigores de um processo e que condena os injustos para defender os foros da Justiça divina (LIX,1-4).

- Começou Jesus Cristo a exercer o poder judicial, que constitue a prerrogativa mais excelsa da sua realeza, desde o momento em que subiu aos céus e tomou assento à direita de Deus Padre?

- Sim, Senhor, e tudo quanto desde então ocorre no mundo, o movimento do universo, o desenvolvimento e evolução do gênero humano, o ciclo dos seres inanimados, as ações dos anjos bons e maus com sua influência nos acontecimentos. Ele o dirige e governa; e não só tem direito à realeza e mando enquanto Deus, de Quem a Providência é um dos atributos, mas também enquanto homem, por ser Filho de Deus e pessoa divina, e também porque, com a sua morte e paixão, conquistou tão elevado cargo e dignidade (LIX,5).

- Esta ação judicial tão intensa e minuciosa que Jesus Cristo vem exercendo desde o dia da sua Ascensão, não faz inútil o juízo universal que há-de realizar-se no fim dos tempos?
Nosso Senhor, o justo Juiz - Não, Senhor; porque até então não haverá ocasião propícia para manifestar a plenitude e alcance do poder e da Soberania de Cristo; só quando se fechar o livro da história se poderá apreciar em conjunto, não só o valor dos atos, mas também o de suas consequências, e portanto, premiar ou castigar a cada creatura conforme o total de seus merecimentos.

- Governa Cristo aos anjos com os mesmos títulos com que rege aos homens?

- Não, Senhor, porque, se bem que o Filho de Deus recompensa aos anjos bons com a glória eterna e castiga aos maus com o suplício da eterna condenação, nem os premeia nem os castiga, enquanto homem, mas somente como Deus; os homens, ao contrário, recebem de Cristo, enquanto homem, o poderem entrar na posse da bemaventurança; e dos seus lábios ouvirão os réprobos, no dia do juízo final, a sentença definitiva que os condena aos suplícios eternos. Apesar disto, os mesmos anjos, assim como os demônios, estão sujeitos ao poder soberano do Filho de Deus feito homem, desde o momento da sua Incarnação e de um modo especial, desde o dias da sua Ascensão e entrada triunfal no céu.

- Todas as ações e intentos para salvar ou perder os homens ficam submetidos ao foro judicial de Jesus Cristo e os primeiros receberão Dele, enquanto homem, o suplemento da recompensa devido aos seus bons ofícios, assim como os maus, o aumento de pena de que os faz merecedores a sua perversidade (LIX,6).

Suma Teológica em forma de catecismo de São Tomas de Aquino /AASCJ


Sem comentários:

Enviar um comentário

Seguidores

Acerca de mim

A minha foto

Alguém que procura um encontro com Jesus.

Arquivo do blogue

A minha Lista de blogues