segunda-feira, 18 de abril de 2011

A Mãe Santíssima e o sofrimento da crucificação de Nosso Senhor


Isaías chamou Nosso Senhor de ‘Vir dolorum’ (Is. 53,3) o Varão das Dores.

De Nossa Senhora, espelho da Sabedoria que reflete em Si tudo quanto é de Jesus Cristo, pode-se dizer que é ‘Mulier dolorum’, a Dama das Dores. Num oceano de sofrimentos, tudo n’Ela era equilibrado e raciocinado.

O amor era incomparável, sem super-emoções, mas com uma infinitude de sentimento. Sem torcidas, sem pânicos, embora numa angústia quase estraçalhante.
Quando o Madeiro foi levantado, as dores de Nosso Senhor atingiram o insondável. Ela, então, ficou na alternativa: de um lado, queria que Ele morresse logo, para interromper os tormentos; de outro lado, desejava que Ele ainda vivesse, pois toda mãe quer alongar a vida de seu filho.

Mas Nossa Senhora sabia que era melhor para os pecadores a imolação ir até o fim.

A grandeza de Nossa Senhora não está tanto na enormidade dos seus padecimentos, mas em ter desejado que seu Filho cumprisse esse sacrifício supremo por amor de nós.

Deus amou-nos tanto, que desejou sacrificar o seu Filho Unigênito.

Nossa Senhora teve tanta dileção por nós, que Ela aderiu a essa função sacrifical.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seguidores

Acerca de mim

A minha foto

Alguém que procura um encontro com Jesus.

Arquivo do blogue

A minha Lista de blogues